Você consome cosméticos naturais certificados?

Consumidores conscientes tornaram possível uma nova era de cosméticos certificados. São
produtos que possuem selos que teoricamente garantem que eles são naturais, orgânicos ou
veganos. Mas será que é verdade?

O USO INDEVIDO DOS SELOS CERTIFICADORES
Muitas empresas utilizam selos, como o de Cruelty Free, de forma indevida só porque estão na
moda. Ter um cosmético com o famoso selo do coelhinho é entender que ele venderá muito
mais do que um mesmo produto sem o selo. Algumas marcas acabam aplicando o selo sem
permissão, e enganando o consumidor (que deveria ser consciente).

A maioria das marcas realmente não testam seus cosméticos em animais, mas acabam
comprando matérias-primas que não seguem essa regra. Em algum ponto dessa cadeia de
produção, houve maus-tratos. E por falta de informação, utilizam o selo de maneira errada, e
sem o devido processo de certificação.

A FALTA DE UMA LEGISLAÇÃO AJUDA A DISSEMINAR SELOS FALSOS NO MERCADO DE
COSMÉTICOS

Ter um selo entregue por uma empresa certificadora é algo realmente importante dentro do
mercado da beleza. Hoje, produtos naturais estão sendo cada vez mais consumidos pelo
mundo todo. A Geração Z, ainda jovem, corresponde a uma parcela significativa que prefere
comprar cosméticos naturais. Essa Geração irá crescer, e o seu poder aquisitivo também. Há
projeções que indicam que o futuro da cosmética é de produtos orgânicos, veganos ou
naturais. Mas para ter um cosmético realmente certificado, a empresa fabricante precisa
investir, e quando falamos em investimento, estamos falando em dinheiro. Então, não é difícil
de entender porque algumas marcas têm se aventurado de forma errada nesse ramo de
mercado.

Infelizmente no Brasil não existe uma legislação específica para certificação de cosméticos.
Isso implica que uma marca pode imprimir selos e colar em seus produtos e dizer: “vejam, meu
cosmético é natural!” Como não há fiscalização nesse sentido, quem paga o preço por isso é o
consumidor.

COMO SABER SE UM COSMÉTICO É REALMENTE CERTIFICADO?

O consumidor que quiser ter certeza se o produto que ele está comprando possui um selo
verdadeiro, basta entrar no site da empresa certificadora e pesquisar pelo nome da marca e do
cosmético.

A Ecocert é uma certificadora internacional de origem francesa. Está no Brasil desde 2001, e
atua com foco em produtos orgânicos. Caso um cosmético possua um selo da Ecocert, basta
que o consumidor entre no site da empresa e procure pelas certificações. Se o produto estiver
no banco de dados da Ecocert, então realmente o selo é real. Caso não esteja, o consumidor
deve denunciar a fabricante.

Esse procedimento deve ser o mesmo para cada cosmético que apresenta um selo. O
consumidor consciente é aquele que entende o que está comprando.

QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS CERTIFICADORAS DE COSMÉTICOS?

Para lançar um produto no mercado que possua um selo, é preciso primeiro recorrer a um
processo de certificação. Esse processo possui diretrizes que seguem referenciais
certificadores, como a Cosmos-standard e a Natrue. Empresas como a Ecocert, seguem um
desses referenciais ao entregar selos.

Além da Ecocert (França), o consumidor também pode encontrar selos da IBD (maior
certificadora de produtos orgânicos da América Latina), BDIH (Alemanha), Cosmebio (França),
ICEA (Itália) e Soil Association (Grã-Bretanha). A ISO (Organização Internacional de
Normalização) também possui um selo certificador. A ISO 16128 foi criada em 2016, e possui
critérios técnicos para a fabricação de cosméticos naturais e orgânicos.

Algumas fabricantes e empresas costumam criar selos próprios para seus produtos veganos. E
em muitos dos casos, esses selos não correspondem à realidade. Por isso, é importante
verificar com a própria empresa se o produto é de fato vegano, ou buscar por selos de
certificadoras como a SVB (Sociedade Vegetariana Brasileira), e a PETA (People for Ethical
Treatment of Animals). A PETA possui dois selos super reconhecidos no mercado de beleza, o
Aproved Vegan e o Cruelty-free.

EXISTEM INGREDIENTES QUE SÃO “PROIBIDOS” NA FABRICAÇÃO DE UM COSMÉTICO
CERTIFICADO?

Como já foi dito, um cosmético certificado é um cosmético que foi aprovado por uma empresa
certificadora. Ao ser aprovado, ele recebe um selo que garante ser um produto natural,
orgânico ou vegano.

Cada empresa certificadora possui critérios próprios de avaliação. De forma geral, cosméticos
que pretendem ganhar um selo, precisam ter cuidado com alguns ingredientes considerados
proibidos, por exemplo:

  • Derivados de petróleo.
  • Fragrâncias sintéticas.
  • Corantes sintéticos.
  • Silicones.
  • OGM (organismos geneticamente modificados)

Existem muitos outros ingredientes proibidos, mas esses são os principais. As porcentagens
mínimas variam de acordo com os referenciais certificadores adotados por cada empresa.

Gostou desse conteúdo? Então segue a Curitiba Beauty Hair no Instagram
(@curitibabeautyhair). E a Beauty hair Business Congress (@beautyhairbusinesscongress) para
ter acesso a um conteúdo mais técnico, e a cursos para profissionais do setor da beleza.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Curitiba Beauty Hair

Curitiba Beauty Hair

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga nas redes

Postados recentemente

Receba as últimas atualizações

Se inscreva em nossa newsletter

Sem spam, apenas novidades sobre tendências e negócios de beleza.

Artigos relacionados